• Publicidade

Saiba quais são as causas, os efeitos e os sintomas do Estresse Oxidativo

O termo “estresse oxidativo” é mencionado frequentemente no campo da ciência e da nutrição, mas muitas vezes não é claro o que isso significa para a sua saúde. Pesquisas indicam que o estresse oxidativo é uma causa implícita de câncer, por isso, a compreensão e a prevenção é uma estratégia inteligente para o seu bem-estar.

O que é o estresse oxidativo?

estresse oxidativo

O processo de oxidação acontece quando nosso organismo metaboliza o oxigênio que respiramos para as nossas células produzirem energia. Esse processo também produz os radicais livres, partículas que interagem com as moléculas dentro das nossas células, podendo resultar em dano (estresse) sobre as mesmas.

Em certo grau, os radicais livres são normais e necessários ao organismo, pois eles estimulam o reparo. O problema é que quando há uma produção excessiva desses agentes os processos de reparação ficam sobrecarregados, se tornando assim um problema. Isso é o que chamamos de estresse oxidativo.

A oxidação acontece sob uma série de circunstâncias, incluindo:

  • Quando as células usam a glicose para produzir energia;
  • Quando o sistema imunológico está combatendo as bactérias, criando as inflamações;
  • Quando nosso organismo atua na limpeza de agentes tóxicos, tais como os pesticidas e a fumaça do cigarro.

Na realidade, há milhares de processos ocorrendo em nosso organismo sendo que a qualquer momento um desses pode resultar em oxidação. A chance aumenta quando estamos fisicamente e/ou emocionalmente estressados.

Por que isso é um problema?

Porque os radicais livres resultantes do estrago oxidativo das células, proteínas e do próprio DNA, assim como a oxidação em si, é um processo que pode nos causar danos significativos. Esse processo é conhecido por causar o envelhecimento, cabelos grisalhos, rugas, artrite, problemas de vista e até mesmo o câncer.

Você deve estar se perguntando como saber se o estresse oxidativo está ocorrendo em seu corpo, certo? Abaixo estão alguns dos sinais e sintomas que podem indicar o problema:

  • Fadiga frequente (cansaço);
  • Perda de memória (esquecimento constante);
  • Dores musculares;
  • Rugas e cabelos grisalhos;
  • Capacidade visual reduzida;
  • Dores de cabeças;
  • Sensibilidade à ruídos;
  • Susceptibilidades à infecções.

Como reduzir o estresse oxidativo?

Existem duas maneiras para reduzir o estresse oxidativo. Uma é evitar a exposição à oxidação desnecessária e outra é aumentar a presença de agentes antioxidantes no organismo.

Diminuindo a exposição a oxidação

Como mencionamos acima, a oxidação aumenta quando estamos expostos ao estresse (físico e/ou emocional), à toxinas e infecções. O mesmo ocorre quando consumimos muito açúcar.

Desse modo, optar por alimentos livres de produtos químicos (orgânicos) e tentar diminuir seus níveis de estresse irá consequentemente reduzir a oxidação não necessária do organismo. Aqui estão algumas dicas para lhe ajudar a reduzir o estresse:

  • Praticar exercícios;
  • Meditar;
  • Estar em contato com a natureza;
  • Leitura de livros;
  • Sair para uma caminhada;
  • Assistir algo engraçado.

No caso do açúcar, quanto mais o corpo receber e processar essa substância mais oxidações irão ocorrer. Tome cuidado com os alimentos processados, já que os mesmos contém altos níveis de açúcar além de outros produtos químicos, resultando em mais oxidação.

A oxidação também ocorre quando o sistema imunológico está lutando contra uma infecção. É por esse motivo que você fica doente, a oxidação drena suas energia. Nesses casos, é interessante que você crie uma estratégia para evitar essas infecções, a exemplo das gripes e dos resfriados.

Aumentando a quantidade de antioxidantes

Não importa o que você faça para evitá-los, de uma maneira ou outra você acaba se expondo a algumas toxinas e ao estresse do cotidiano. Por isso é importante aumentar os antioxidantes que você tem em seu corpo.

Um dos mais potentes antioxidantes é a glutationa, que é produzida pelo nosso próprio organismo. Esse antioxidante é feito a partir de três aminoácidos, a glicina o glutamato e cisteína. Há alguns alimentos que ajudam o seu corpo a fazer a produzir mais quantidades de glutationa, dentre os quais incluem:

  • Aspargos;
  • Pêssego;
  • Nozes;
  • Espinafre;

Você também pode fazer com que o seu corpo produza mais glutationa pela ingestão de alimentos que são ricos em enxofre:

  • Alho;
  • Cebola;
  • Brócolis;
  • Couve;

Outra maneira de aumentar a quantidade de antioxidantes no organismo é consumindo alimentos ricos nessas propriedades, tais como a couve, a beterraba, os grãos e as sementes, a canela e o gengibre.

Quanto mais alimentos ricos em antioxidantes você consumir, menor as chances de sofrer com o estresse oxidativo. Proteger-se contra esse problema é algo simples, basta você fornecer ao seu corpo o que ele precisa e evitar o que ele não precisa.

É importante que você tenha consciência disso, porque o estresse oxidativo como já mencionado pode dar início ao câncer.

O artigo foi útil para você? Comente, curta ou compartilhe.

Leia também…
Veja o que é, os efeitos, os benefícios e saiba como usar os suplementos de DHEA
Conheça 10 alimentos que podem atrapalhar sua noite de sono
Saiba como desenvolver hábitos para ter uma alimentação consciente e evitar a autoagressão alimentar

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

  • Publicidade